skip to Main Content

Projeto da Etec visa difundir criação de abelhas sem ferrão

Projeto Da Etec Visa Difundir Criação De Abelhas Sem Ferrão
Meliponário ocupará área de 600 metros quadrados e terá abrigos para as colmeias de abelhas nativas da região | Foto: Divulgação

Alunos e professores da Escola Técnica Estadual (Etec) Sebastiana Augusta de Moraes, de Andradina, estão desenvolvendo um Meliponário Escola para difundir a cultura da abelha sem ferrão e despertar o interesse de estudantes e da população para esse tipo de criação de insetos. A criação desse tipo de abelha é chamada meliponicultura.

O trabalho de construção do meliponário está a cargo dos estudantes dos cursos técnicos de Agronegócio, Agropecuária integrado ao Ensino Médio e na modalidade Alternância. A previsão é que o empreendimento esteja concluído no fim deste ano e equipado para visitação pública a partir de 2020.

Na primeira fase do projeto, as turmas trabalharam na identificação das espécies presentes na região e catalogaram sete tipos de abelhas sem ferrão: Mandaguari Preta, Tubiba, Borá, Jataí, Iraí, Tubuna Scaptotrigona Bipunctata e Mirim. Localizado no campus da Etec, o Meliponário ocupará uma área de 600 metros quadrados, onde serão construídos abrigos para as colmeias de abelhas melíponas nativas da região.  

De acordo com o coordenador, Lauro Komuro, o objetivo do projeto é criar um local para realização de atividades de pesquisa e pedagógicas, além de oferecer visitação e educação ambiental aos moradores do município e região. “Vamos contribuir para a difusão e transferência de tecnologia por meio de cursos e palestras que capacitarão estudantes, meliponicultores e pessoas da comunidade do entorno que possam se interessar pelo cultivo”, afirma. Segundo o educador, no espaço será possível pesquisar e cultivar as diferentes espécies de melíponas para reintroduzi-las na região.

Extinção

Outro desafio importante da iniciativa é evitar a extinção das abelhas melíponas que estão sendo ameaçadas por ações humanas que degradam o meio ambiente, como o uso de defensivos agrícolas, destruição de florestas e retirada de colmeias de abelhas nativas da mata. Como medida de preservação, os cursos de capacitação serão dados também aos agricultores para que aprendam a identificar abelhas sem ferrão e se conscientizem do seu valor para a preservação da biodiversidade.  

Como a cultura de abelhas melíponas na região de Andradina ainda está começando, a produção é feita em escala artesanal porque os produtores não têm a certificação do Serviço de Inspeção Municipal (SIM) e do Serviço de Inspeção Federal (SIF). Por enquanto, a aplicação desse tipo de cultivo é mais relevante na agricultura com o uso das melíponas na polinização. As abelhas sem ferrão melhoram os índices hormonais das plantas, aumentando a sua produtividade.   

O projeto da Etec de Andradina terá o apoio técnico da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR) e contará também com investimentos da Cooperativa Escola, Agropecuária Grendene e da Fazenda Guanabara Andradina.

Back To Top

Notícias

Americana recebe terceira edição da Feira Tecnológica Regional
Inscrição para o Vestibular das Fatecs termina hoje, às 15 horas
Últimos dias de inscrição no Vestibular e Vestibulinho
Fatec promove 18º Workshop do Agronegócio Mogiano
Guia das Profissões Técnicas ajuda na escolha da carreira

Siga o CPS

CPS – Administração Central

Rua dos Andradas, 140 - Santa Ifigênia
CEP 01208-000 – São Paulo – SP
+55 11 3324-3300
Horário de funcionamento: 08h - 18h

Centro Paula Souza. Desenvolvido por AssCom/WEB. Todos os direitos reservados