Etecs usam kits de ciências da USP para desenvolver projetos


26 de dezembro de 2018

Compartilhe!

Estudantes da Etec Professor Aprígio Gonzaga comemoram recebimento do material para trabalhos em sala de aula| Foto: Divulgação

Uma parceria do Centro Paula Souza (CPS) com o Laboratório de Sistemas Integráveis Tecnológico (LSI) do Departamento de Engenharia de Sistemas Eletrônicos da Universidade de São Paulo (USP) permite aprimorar o desenvolvimento de projetos dos alunos das Escolas Técnicas Estaduais (Etecs).  Pelo acordo, os professores do CPS participam de um programa de capacitação em Internet das Coisas para educadores de escolas públicas e recebem um kit premium, que possibilita aos estudantes desenvolverem projetos avançados.

No segundo semestre de 2018, oito Etecs foram beneficiadas com a parceria:  Irmã Agostina, Professor Camargo Aranha, Professor Aprígio Gonzaga, Raposo Tavares, Vila Formosa, todas da Capital;  Jorge Street, de São Caetano do Sul; Professora Maria Cristina Medeiros, de Ribeirão Pires; e Vasco Antonio Venchiarutti, de Jundiaí.

O incentivo para os professores de Ensino Médio e Técnico acaba beneficiando também os estudantes. Além de ferramentas novas de aprendizagem, os educadores voltam às Etecs com um material de primeira linha para o desenvolvimento de projetos direcionados à informática e eletrônica.

Os componentes do kit são uma placa Arduíno UNO, módulo WiFi, módulo Bluetooth, multímetro digital, protoboard (placa de ensaio), jumpers (condutores), LEDs, buzzer (campainha), potenciômetro, LDR, chave, resistores, bateria, diodo, power bank (bateria potente), relé e sensores diversos, micro servo motor, motor DC, transistor e capacitores.

Possibilidades 

Com esse material é possível desenvolver aplicativos para celular, jogos, circuitos eletrônicos e objetos automatizados. Na Etec Professor Aprígio Gonzaga, por exemplo, o kit já começou a ser usado com os alunos do curso de Eletrônica para a criação de uma lixeira inteligente. “A partir dos sensores, módulos e outros componentes é possível construir uma lixeira que informe sua geolocalização e a condição em que se encontra, cheia ou vazia, facilitando a vida de quem precisa descartar o lixo eletrônico”, conta o professor Alex Wanderley. O professor espera  também desenvolver com os estudantes outros trabalhos que possam ser inscritos em feiras científicas e de tecnologia.

Na Etec Raposo Tavares, a ideia é utilizar os kits nas aulas de informática com as turmas do curso técnico de Desenvolvimento de Sistemas. “Os alunos gostam de exercitar os conhecimentos em hardware e software”, explica o auxiliar docente Mateus Nardes. “Temos acesso a componentes, como sensores e baterias, para experimentar recursos de aproximação, luminosidade, para fazer carrinhos. É possível também aprimorar projetos já em andamento.”

As atividades vão ao encontro da pedagogia de projetos adotada pelo CPS, que busca aplicar a teoria em produtos e trabalhos relevantes para a comunidade.