skip to Main Content

Dia Mundial da Internet: segurança é desafio para usuários

Dia Mundial Da Internet: Segurança é Desafio Para Usuários
De acordo com o IBGE, em 2016, 116 mil pessoas estavam conectadas à web, cerca de 65% da população nacional | Foto: Pixabay.com

A angústia que sentimos ao esquecer o celular e ficar sem comunicação ou a sensação ruim que temos ao constatar que a internet “caiu” são alguns dos sintomas de um tempo em que estamos cada vez mais conectados à rede mundial de computadores. É preciso, porém, ter certos cuidados e aprender a usar bem os recursos que se multiplicam e prometem facilitar a vida dos usuários. No Dia Mundial da Internet, comemorado em 17 de maio, professores do Centro Paula Souza (CPS) debatem o acesso à web no Brasil, questões de segurança na navegação e o que se pode esperar de um futuro que promete ser cada vez mais digital.

Os números que mostram o acesso dos brasileiros à internet são significativos, embora ainda haja uma margem grande para crescimento desse público. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2016, 116 milhões de pessoas estavam conectadas à web, o equivalente a cerca de 65% da população nacional. O Google divulgou um levantamento em 2017 revelando que 86% dos brasileiros assistem a vídeos pela web e 99% buscam conteúdo no YouTube.

Com tantos acessos, aprimorar a segurança na internet passa a ser uma questão relevante. “É preciso aumentar os níveis de criptografia”, defende a professora da Faculdade de Tecnologia do Estado (Fatec) Carapicuíba Magali Andreia Rossi. Por meio desse procedimento, uma mensagem transmitida pela internet é codificada de modo que apenas o emissor e o receptor tenham acesso ao seu conteúdo. É o que ocorre, por exemplo, com a transmissão de informações via WhatsApp. Magali explica que os bancos têm sistemas de controle rigorosos, mas muitas lojas online possuem apenas certificado digital, o que não dá muitas garantias aos clientes.

A professora dá dicas para navegar com mais segurança. “É importante ter um antivírus capaz de detectar os tipos mais comuns e sempre verificar a URL do site”, afirma. Ela explica que são comuns os golpes que envolvem uma página muito semelhante à de um banco ou de uma loja. “A parte visual é igual, mas o endereço do site não é exatamente o mesmo.” Por fim, Magali sugere cobrir a câmera dos notebooks com uma fita crepe, para evitar ter suas imagens gravadas por algum software.

E-mail suspeito

O docente João Carlos Lopes Fernandes, da Fatec São Caetano do Sul, lembra que nenhuma empresa solicita dados ou atualização cadastral por e-mail. “Ligue para o banco e verifique se o e-mail é verdadeiro. Não vá direto clicando no link”, alerta. Ele sugere também manter o computador atualizado e com um bom antivírus.

Para Fernandes, outro desafio para a internet no Brasil é a melhoria do acesso, da área de cobertura. “São muito comuns as reclamações sobre o fato de que você contrata um plano, mas não recebe aquilo pelo que está pagando.”

Na opinião de Magali Rossi, o futuro terá muito mais interação com os usuários da rede, por meio de recursos como holografia, realidade aumentada e realidade virtual. Com a realidade aumentada é possível que um dispositivo, como o celular, traga elementos para o mundo real, como ocorre no jogo Pokémon Go. Já na realidade virtual, uma espécie de óculos transporta o usuário para um ambiente digital. “Hoje nós recebemos as informações passivamente, mas isso tende a mudar.”

Segundo Fernandes, cada vez mais haverá serviços disponíveis na internet. “Hoje chamamos um táxi, controlamos o horário do ônibus, fazemos registro na Zona Azul, tudo pelo celular”, lembra. “A internet fará cada vez mais parte da nossa vida.” A tendência é que carros, prédios e eletrodomésticos estejam conectados à web, o que se conhece como internet das coisas.

Programação

É de olho nesse futuro que o Grupo de Formulação e Análises Curriculares (Gfac) das Escolas Técnicas Estaduais (Etecs) está trabalhando. Hugo Ribeiro de Oliveira, um dos responsáveis pelo eixo tecnológico de Informação e Comunicação do Gfac,  explica que a tendência é que todos os profissionais tenham de aprender a programar ou, pelo menos, aprender a se comunicar com um programador para trabalhar em conjunto.

Com isso em mente, o Gfac começa a desenvolver componentes curriculares para cursos que não estão diretamente ligados à área de Informática. A ideia é que todos os alunos dos Ensinos Médio e Técnico tenham conhecimentos para trabalhar em um mundo cada vez mais digital.

Inscrições

As unidades do Centro Paula Souza oferecem diversos cursos na área de Informática. Nas Etecs é possível estudar Desenvolvimento de Sistemas, Informática, Informática para Internet, Manutenção e Suporte em Informática, Programação de Jogos Digitais, Redes de Computadores, entre outros cursos. As inscrições para o Vestibulinho podem ser feitas até  25 de maio, pelo site.

As Fatecs oferecem cursos como Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS), Banco de Dados, Big Data no Agronegócio, Gestão da Tecnologia da Informação, Informática para Negócios, Jogos Digitais, Redes de Computadores, Segurança da Informação, Sistemas para Internet e Design de Mídias Digitais – este último é uma novidade do Vestibular para o segundo semestre. As inscrições para o processo seletivo das Fatecs vão até 8 de junho, pela internet. Para conhecer mais detalhadamente os cursos das Fatecs, acesse o Guia das Profissões Tecnológicas.

Notícias

Confira gabarito do exame dos cursos EaD na modalidade aberta
Exame do Vestibulinho das Etecs deste domingo, 16, começa às 13h30
Fatecs divulgam retificação no gabarito do Vestibular para 2019
Etec Sebrae conquista edição 2018 do prêmio Miniempresa
Exame dos cursos técnicos EaD na modalidade aberta será sábado

Siga o CPS

CPS – Administração Central

Rua dos Andradas, 140 - Santa Ifigênia
CEP 01208-000 – São Paulo – SP

+55 11 3324-3326

Centro Paula Souza. Desenvolvido por AssCom/WEB. Todos os direitos reservados

Back To Top