CPS comemora aumento de mulheres nos cursos agrícolas

De 2019 a 2022, Etecs e Fatecs registraram crescimento de mulheres matriculadas em cursos agrícolas; hoje elas representam cerca de 49,54% dos alunos matriculados nas Etecs e 50,9% nas Fatecs

14 de outubro de 2022 4:44 pm Etec, Fatec

Jaqueline Mognon, Simone Silotti e Beatriz Sabino, fundadoras da Cooperativa Agrícola de Quatinga e Região (CAQ) | Foto: Divulgação

Publicação realizada de forma retroativa em respeito à legislação eleitoral.
Conteúdo elaborado entre 2 de julho de 2022 e o término da eleição estadual de São Paulo.

No Dia Internacional das Mulheres Rurais, o Centro Paula Souza (CPS) celebra o aumento de mulheres matriculadas em cursos relacionados ao setor agrícola. A presença feminina em atividades que antes eram totalmente dominadas por homens é crescente. No agronegócio não é diferente. Segundo dados do último censo agropecuário do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a porcentagem de mulheres que comandam propriedades agrícolas no Brasil cresceu de 12,68% em 2006 para 18,64% em 2017. Quando se leva em conta as mulheres que administram propriedades rurais em parceria com o marido, a participação feminina sobe para 34,75%.

Isso também se reflete na crescente busca por cursos e capacitações oferecidas pelo CPS. As Escolas Técnicas Estaduais (Etecs) possuem cerca de 7.528 alunos matriculados em cursos relacionados ao setor agrícola. Desse total, 3.729 são mulheres, que representam 49,54% das estudantes. É possível observar um salto de 7,5% no número de alunas matriculadas em cursos desta área, se comparado aos anos anteriores, passando de 3.501 alunas em 2019 para 3.729 no primeiro semestre de 2022.

Nas Faculdades de Tecnologia Estaduais (Fatecs), o avanço das mulheres em cursos ligados ao setor agrícola também é significativo. Atualmente, a Fatec possui cerca de 4.208 alunos matriculados em cursos na área, sendo que 2.140 são mulheres, o que representa 50,9% dos alunos dos cursos agrícolas. Os números mudam a cada ano. Em 2019, os cursos contavam com cerca de 1.983 alunas, o que representava 49,7% do total. O salto de 1,2%, embora tímido, representa um grande passo em direção à equidade feminina na área.

Para a coordenadora de projetos do eixo tecnológico de Recurso Naturais do CPS, Adriana Nunes, o avanço das Etecs no número de alunas matriculadas nos cursos ligados ao setor agrícola é resultado de um conjunto de medidas implementadas pelo CPS. O contexto regional em que as estudantes estão inseridas e o formato de ensino ajudaram as Escolas Técnicas a obter os bons resultados. “O Ensino Técnico Integrado ao Médio, juntamente com o fortalecimento de base feito pelo CPS, professores e coordenadores, aumentou a visibilidade dos cursos do Eixo Tecnológico de Recursos Naturais junto aos municípios”, afirma. “Foi o bastante para chamar a atenção dessas mulheres que enxergaram nesta área uma oportunidade de crescer profissionalmente. ”

Inspiração para muitas jovens estudantes, a aluna da Fatec Mogi das Cruzes, Simone Silotti, recebeu reconhecimento pelo projeto #FaçaumBemINCRÍVEL, no Prêmio Empreendedor Social em Resposta à Covid-19 em 2021. “O apoio da FATEC foi fundamental para transformar o projeto #FaçaumBemINCRÍVEL em um projeto ESG e constituir a CAQ – Cooperativa Agrícola de Quatinga e Região como instrumento para o desenvolvimento rural sustentável cuja liderança é predominante feminina.”, afirma Simone que também foi reconhecida com outros 7 Prêmios pelo projeto, entre eles o “Alma da Ruralidade” do Instituto Interamericano de Cooperação (IICA), e entrou na 1a Lista das 100 Mulheres mais Poderosas do Agro pela Revista Forbes.   

Ações CPS

Com objetivo de incentivar os professores a promoverem projetos de inserção feminina nos cursos relacionados ao setor agrícola e nas atividades em sala de aula, o Centro Paula Souza realizou o “Circuito Alimentares de Proximidade: Conceitos, Definição e Práticas”. A capacitação permitiu que professores passassem a entender como as alunas se sentem nas aulas práticas e encontrar estratégias para incluir as alunas em atividades que antes, por exigirem mais força física, eram mais direcionadas aos alunos.

Em junho, o CPS lançou o Programa Dignidade Íntima, que leva itens de higiene pessoal a todas as 224 Escolas Técnicas (Etecs) e 75 Faculdades de Tecnologia (Fatecs) do Estado de São Paulo. O programa tem como prioridade o atendimento de estudantes em situação de vulnerabilidade social e econômica, mas não exclui nenhuma aluna que tenha necessidade de produtos como absorventes higiênicos. A ideia é promover a saúde e o bem-estar das alunas, prevenir o absenteísmo e a evasão escolar e evitar prejuízos à aprendizagem e ao rendimento escolar por motivos relacionados à pobreza menstrual.

Ainda como parte dos esforços de equidade de gênero, o plano de metas para 2023 desenvolvido pelo Centro de Capacitação Técnica e Pedagógica da Unidade do Ensino Médio e Técnico (Cetec) prevê envolver 5% das unidades de ensino em projetos de ampliação de oportunidades para desenvolvimento profissional e empoderamento feminino, para atingir o objetivo. A iniciativa é Inspirada nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável número 5 (Igualdade de Gênero).

Compartilhe


Veja também

Governo do Estado de SP