Alunos da Etec criam impressora 3D com material reciclado


31 de janeiro de 2020

Compartilhe!

Aluno do curso técnico de Mecatrônica opera impressora 3D construída na unidade a partir da reciclagem de materiais| Foto: Divulgação

Estudante de Mecatrônica opera equipamento e produz peças tridimensionais para serem usadas como material didático | Foto: Divulgação

A Escola Técnica Estadual (Etec) Sylvio de Mattos Carvalho, de Matão, poderá produzir materiais pedagógicos, como objetos para aulas de geometria, réplicas de órgãos do corpo humano para o ensino de biologia e protótipos para os cursos de Enfermagem, Mecatrônica e Mecânica. Tudo isso pode ser feito na impressora 3D que um grupo de estudantes desenvolveu como atividade acadêmica.

A novidade trouxe oportunidades e orgulho para a comunidade escolar porque o equipamento foi desenvolvido por alunos do último módulo do curso técnico de Mecatrônica e do terceiro ano do curso de Mecatrônica integrado ao Ensino Médio. O experimento fez parte do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) de um grupo formado por setes alunos das duas modalidades.

A tecnologia 3D permite a criação de objetos com rapidez e precisão a partir de um desenho feito em computador. A matéria-prima para construir a máquina veio de equipamentos e peças recicladas, como impressoras, madeiras e metais, além de alguns componentes que foram comprados pela internet.

O professor Ariovaldo Sano apresentou a ideia do projeto-piloto da impressora aos alunos há um ano e um grupo interdisciplinar aderiu à ideia. Orientada pelo educador, a equipe desenvolveu o equipamento que funciona por meio da técnica de extrusão. “O sistema consiste no derretimento de material plástico que, depois de fundido, é injetado numa superfície por meio de camadas até adquirir o formato tridimensional”, explica Sano. O primeiro objeto criado pela impressora 3D foi um troféu para premiar a equipe campeã da gincana realizada durante a festa de Halloween, promovida pela Etec em 2019.

Experiência prática motiva alunos  

Como a experiência deu certo com os alunos de Mecatrônica, Sano avalia que a ideia poderá ser implantada como projeto interdisciplinar no currículo do curso. Segundo o educador, atividades práticas que trazem resultados concretos têm um forte apelo para motivar os jovens. “O estímulo nos cursos do Ensino Técnico Integrado ao Médio (Etim) é fundamental porque, às vezes, o aluno se interessa pelo Ensino Médio mas não tem vocação para a área técnica. Um projeto como o da impressora 3D pode despertar esse propósito”, explica.    

O professor acredita que o projeto pode ainda ser aplicado por meio da metodologia ativa Project Based Learning (BPL) – adotada pelo Centro Paula Souza. Esta prática procura estimular a autonomia dos alunos, por meio de desafios como a criação de soluções para problemas propostos. 

Para a coordenadora pedagógica da Etec de Matão, Ana Cláudia Câmara, o projeto para criação da impressora piloto foi bem-sucedido porque trabalhou a interdisciplinaridade e mobilizou o interesse dos estudantes. “Esse é um tipo de desafio que encanta os jovens porque permite que eles identifiquem uma função prática para o conteúdo que estão estudando.”    

Participaram do TCC os alunos Caio Chanes, Eric Ortolan, Guilherme Henrique Lavezzo, João Victor dos Santos, José Ricardo Lindolpho, Pâmela Araújo e Vinicius Carrino, sob a orientação dos professores Edgar Coroa, Wesley Soares, José Torini, Reginaldo Garcia e Ariovaldo Sano.