CPS sedia 1º Simpósio Internacional de Intercâmbios Virtuais

Professores do Centro Paula Souza e parceiros de cinco países falam sobre os desafios e benefícios dessa metodologia, que metodologia que congrega 238 instituições

7 de dezembro de 2022 10:40 am Eventos

Evento terá apresentações de docentes da África do Sul, Brasil, China, Colômbia, Estados Unidos e Índia | Ilustração: Freepik

No mundo globalizado, até os intercâmbios internacionais podem acontecer de forma remota e eficaz. As Faculdades de Tecnologia do Estado (Fatecs) do Centro Paula Souza (CPS) despontam entre os primeiros lugares no ranking mundial em projetos de Intercâmbios Virtuais, conhecidos como Collaborative Online International Learning (COIL), metodologia que congrega 238 instituições de Ensino Superior ao redor do mundo. No CPS, o programa foi rebatizado como Projeto Colaborativo Internacional (PCI), fazendo parte da Unidade de Ensino Superior de Graduação (Cesu).

Nada mais natural, portanto, que a entidade sedie o 1º Simpósio Internacional de Intercâmbios Virtuais (Ives), que acontece no dia 8 de dezembro reunindo docentes da China, África do Sul, Colômbia, Estados Unidos e Índia. “Além de buscar parceiros internacionais para as Fatecs, os PCIs aproximam o aluno de uma língua estrangeira e trazem casos reais do mundo profissional”, explica o coordenador do projeto, Osvaldo Succi.

Mesmo que seja realizado de forma virtual, o que derruba a barreira financeira imposta pelos programas convencionais, o PCI coloca estudantes de graduação e pós-graduação em contato não apenas com outros idiomas, mas com a forma de viver e de enfrentar desafios profissionais de outros povos e suas culturas. Essa forma de ensino engaja alunos e professores de dois países em torno de um projeto comum, com turmas que se encontram remotamente e desenvolvem um projeto durante um período de tempo que pode durar de quatro a dez semanas.

Programa em expansão

Os Intercâmbios Virtuais tiveram início em 2013, quando a Fatec de Americana e a Suny Ulster, faculdade pública novaiorquina, desenvolveram o que foi, provavelmente, o primeiro COIL no Brasil, de acordo com Succi. Naquele ano, o número de estudantes não passou de 80. Já em 2022, foram 2.633 alunos engajados em 115 projetos. Entre 2015 e 2022, o total apontado foi de aproximadamente 7.400  jovens atendidos em mais de 250 PCIs.

No Brasil, o sucesso da empreitada se deve também, segundo Succi, à flexibilidade dos professores das Fatecs, com sua capacidade de desenvolver trabalhos em equipe e elaborar projetos em curto espaço de tempo. Segundo o coordenador, tornar mais forte o vínculo com a América Latina é uma das metas do programa, além de uma aproximação maior com os países de língua portuguesa e os do eixo Sul-Sul (África do Sul, China e Índia). 

Nesta quinta-feira (8), o simpósio acontece das 9 às 16 horas e é aberto ao público. Confira a programação. As apresentações foram pré-gravadas, o que permitiu que fossem usadas legendas em português, no caso dos palestrantes do exterior, e em inglês, para os docente do CPS. Mas os participantes estarão todos presentes para responder às dúvidas dos internautas, com tradução simultânea de Osvaldo Succi. As inscrições, gratuitas, podem ser feitas até o início do evento aqui.

Compartilhe


Veja também

Governo do Estado de SP