skip to Main Content

Etec de Matão cria cama automatizada para melhorar qualidade de vida de pacientes

Etec De Matão Cria Cama Automatizada Para Melhorar Qualidade De Vida De Pacientes
Crédito: Gastão Guedes | Beatriz de Souza e Renan Quaresima apresentam projeto da cama com dispositivo para mudança de decúbito na 9ª Fetesp

O desconforto de pacientes acamados por longo tempo com as constantes mudanças de posição, necessárias para prevenir escaras, e os esforços exigidos de enfermeiros e cuidadores para a realização desses movimentos, motivaram a criação de um projeto que pode resolver ambos os problemas por meio da automação. A cama com dispositivo que facilita a mudança de posição propõe dar mais comodidade e autonomia ao doente, ao mesmo tempo que alivia a carga sobre os profissionais de saúde.

A ideia surgiu no primeiro semestre de 2015. À época alunos do terceiro módulo do curso técnico de Enfermagem da Escola Técnica Estadual (Etec) Sylvio de Mattos Carvalho, de Matão, Beatriz de Souza e Renan Cristiano Quaresima cumpriam estágio em instituições de saúde e, na prática, puderam vivenciar essas dificuldades. Reposicionar o enfermo exige, muitas vezes, o apoio de dois funcionários. Entre as técnicas utilizadas está o uso de um lençol para mover a pessoa acamada. Esse e outros procedimentos, repetidos várias vezes ao dia, expõem os atendentes a riscos ergonômicos e consequentes doenças do trabalho. Sem falar, claro, no desconforto do paciente.

Sob a orientação da professora Angélica Augusta Camargo, com a ajuda dos colegas do curso técnico de Mecânica e de material como sucata encontrada na própria Etec, os futuros técnicos em enfermagem começaram a trabalhar na adaptação de uma cama hospitalar, na qual foi instalado um motor de portão, que move uma esteira de forma moderada, levando cuidadosamente o paciente à nova posição. A ação é iniciada por um dispositivo eletrônico de fácil acesso, que pode ser acionado tanto pelos atendentes como pelo paciente. Ao todo, alunos e professores investiram R$ 2 mil, sendo R$ 1,2 mil no motor.

Novo protótipo

Os esforços compensaram e o projeto foi vencedor da 9ª Feira Tecnológica do Centro Paula Souza (Feteps), realizada em outubro do ano passado. O próximo passo, segundo Beatriz, é conseguir patrocínio para a construção de um modelo mais viável. Uma cama em alumínio, por exemplo, seria mais leve e resistente, o que permitiria a instalação de um motor de maior potência. O protótipo atual, além da aparência rústica (foi feito em ferro cru), suporta até 70 kg. Com o novo modelo que imaginam, diz a ex-aluna, seria mais fácil conseguir o apoio de investidores para viabilizar a produção e a comercialização do produto.

A professora Angélica continua a apoiar e defender o projeto. “Como enfermeira acho esse trabalho incrível, realmente inovador”, diz. Os autores buscam conseguir apresentar o projeto a empresários do setor de saúde. Um dos caminhos escolhidos é a Agência de Inovação Inova Paula Souza, que apoia principalmente startups criadas por alunos das Etecs e Faculdades de Tecnologia do Estado de São Paulo (Fatecs).

Etec de Matão cria cama automatizada para melhorar qualidade de vida de pacientes

Back To Top