skip to Main Content

Alunos da Fatec São Caetano do Sul são selecionados por empresa de cinema

Alunos Da Fatec São Caetano Do Sul São Selecionados Por Empresa De Cinema
Crédito: Reprodução | Imagem do jogo “Diana”, um dos vencedores do programa

Dois alunos do curso de graduação tecnológica de Jogos Digitais da Faculdade de Tecnologia do Estado (Fatec) São Caetano do Sul foram destaques do programa de games da Spcine, empresa de cinema e audiovisual de São Paulo, divulgado em dezembro de 2016. Bruno Araújo foi um dos 16 vencedores com a obra “Diana” e Rodrigo Giacobelli foi finalista com “Minha Cidade”. Ambos concorreram com 120 projetos de desenvolvedores independentes.

Lançado em outubro de 2016, o programa investe R$ 1,8 milhão na criação de novos jogos eletrônicos. Entre os objetivos estão o aumento da oferta de games brasileiros no mercado e a ampliação da participação brasileira no eixo de produção.

Desenvolvido para PC (Windows, Mac e Linux) e Android, “Diana” é focado na investigação a partir da coleta de itens e em diálogos interativos com personagens. A base da história está no desaparecimento de um amigo de infância do protagonista. Assim que descobre que ninguém sabe do paradeiro de seu colega, o jornalista Francisco começa a investigar vários pontos da cidade de São Paulo para tentar descobrir o que aconteceu.

“O game não foi feito durante a aula, mas as matérias contribuíram no desenvolvimento. Ajudaram muito as competências de ficção interativa, roteiro, inteligência artificial, engenharia de software”, afirma Bruno Araújo, atualmente no sexto módulo do curso de graduação tecnológica de Jogos Digitais.

Nos próximos meses, Bruno planeja gerenciar a equipe de criação do jogo e finalizar aspectos de marketing e relações públicas do projeto. “Terminando o jogo, espero que ele tenha alguma repercussão e eu receba muitos feedbacks dos jogadores e críticos”.

Necessidades da população

O jogo “Minha Cidade” propõe administrar uma cidade por um período de tempo. A cada partida, que dura de 2 a 3 minutos, o jogador deve satisfazer as necessidades da população, como lazer, estética e habitação. Tudo desenvolvido para Android. A previsão é de estar pronto no começo de junho”, afirma Rodrigo Giacobelli.

Segundo ele, a maior contribuição na elaboração do jogo veio das aulas de programação. “As competências permitiram que eu pudesse desenvolver meu pensamento lógico”, conta. “Um grande desafio foi a programação da inteligência artificial das pessoas que se movimentam pela cidade, que totalizou 14 horas de esforço.”

Como um diferencial na produção, o game não dependerá de recursos para obter faturamento. “Ainda é muito cedo para explicar os detalhes do novo funcionamento, mas ele permitirá um modo diferente de obtenção de lucro”.

Back To Top