Alunos da Fatec Mogi Mirim criam software para estimular vendas do comércio local – CPS – Centro Paula Souza skip to Main Content

Alunos da Fatec Mogi Mirim criam software para estimular vendas do comércio local

Alunos Da Fatec Mogi Mirim Criam Software Para Estimular Vendas Do Comércio Local
Estudantes pretendem disponibilizar o software para comerciantes

Um software desenvolvido por quatro alunos da Faculdade de Tecnologia do Estado (Fatec) Arthur Azevedo, de Mogi Mirim, chamou a atenção dos comerciantes da cidade. Trata-se do Achei-App, trabalho vencedor da maratona de programação realizada na segunda edição do DevDay, evento realizado em setembro na unidade. O projeto foi criado por Thalles Manjaterra, Lucas Honório, João Neto e Luiz Peramo, estudantes do segundo semestre do curso superior tecnológico de Análise de Desenvolvimento de Sistemas.

Os alunos criaram um assistente virtual por meio de uma API (Application Programming Interface, em inglês), um conjunto de rotinas e padrões de programação que automatiza processos. Com a API, é possível definir uma série de respostas programadas para cada opção que o usuário decidir clicar. Ou seja, todo o processo da compra passa a ser feito em poucos cliques, dentro de um chat.

No mercado, o Achei-App funcionaria da seguinte maneira: o dono de uma lanchonete cria uma página no Facebook e entra em contato com o grupo. Após a aplicação da API com as respostas prontas e personalizadas para o cliente, que incluem as opções do cardápio e localização do estabelecimento, os usuários poderão interagir com um assistente virtual para realizar o seu pedido. Feita a escolha, o cliente paga na própria plataforma por meio de uma API do PagSeguro. Com apenas um clique, o usuário também aponta sua localização exata por meio do Google Maps, agilizando o processo de entrega. O mesmo vale para qualquer outro tipo de estabelecimento comercial.


Experiência personalizada

“O Achei-App pode ser integrado a sites, aplicativos próprios dos comerciantes ou populares, como o Facebook Messenger ou Telegram. Depende apenas do público-alvo e das necessidades das empresas, pois a experiência sempre é personalizada”, explica Thalles, que também foi aluno do curso técnico de Informática na Escola Técnica Estadual (Etec) Pedro Ferreira Alves, de Mogi Mirim. “A partir deste protótipo, desenvolvido para um restaurante, é possível aplicar essa tecnologia a qualquer setor do comércio”, completa. Muitos itens podem ser facilmente vendidos por meio do aplicativo, como calçados, refeições e games, entre outros.

Os estudantes estão em contato com a Acimm e pretendem disponibilizar o software para os comerciantes interessados.

Back To Top